Eu chamo-lhes aberrações...


Sobre umas aberrações que para ai andam nas Magistraturas (Judicial e do Ministério Público) lembrei-me desta citação dos Textos Judaicos que dizia, mais ou menos, isto...

«Infeliz da geração cujos juízes merecem ser julgados.»

Atenção, sou casado com uma Juíza de Direito sei o quanto trabalha e sei o quanto se dedica à sua profissão, alguns dos meus bons amigos são Juízes e Procuradores da República, já estive desse lado da barreira e entristece-me, embora não me surpreenda, ver a Justiça na lama porque duas "almas" resolvem aí a colocar com os seus actos, uma lástima, uma lástima mesmo...

Bom resto de semana!

Comentários

  1. Os intrínsecos e incompreensíveis caminhos da justiça.
    .
    * Campos ondulando em flor, afectos infinitos *
    .
    Votos de um dia feliz.

    ResponderEliminar
  2. Um aplauso para a citação dos textos judaicos.
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Ricardo,
    Só os estúpidos confundem a árvore com a floresta.
    Diga-me UMA profissão que não tenha ovelhas negras, por favor.
    Pois, não há.
    Aquele abraço!

    ResponderEliminar
  4. Concordo, na íntegra Ricardo. Gostava que as coisas fossem como o Pedro Coimbra diz, ou melhor, que os portugueses, na generalidade, não confundissem a árvore com a floresta. Mas basta-me tomar café pela manhã e ouvir os comentários alheios acerca a operação Lex, para ver que é tudo metido no mesmo saco! Bom fim de semana

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Dixit...

Mensagens populares deste blogue

A Cunha, o Arranjinho e o Amiguismo...