Avançar para o conteúdo principal

História das férias de Verão em imagens...

(Começou assim)

(Estivemos aqui)

(Por aqui)

(Aqui)

(Com amigos)

(Em sítios que aprecio)

(Descansando)

(Fotografando)

(Comendo)

(Com a família)

(Fotografando)

(Aproveitando as belezas da vida)

(Com amigos)

(Sozinho)

(Comemorando a Ponte sobre o Tejo)

(Brincando)

(Conhecendo sítios novos)

(Em alta voltagem)


E, no final, os meus essenciais (além da família, claro.) são estes...

(Mochila, sapatilhas e a minha máquina fotográfica)


Comentários

  1. Umas férias cheias e que, acredito, deram para retemperar forças.
    Seja bem regressado.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  2. Belíssima reportagem, Ricardo.
    Abraço

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Dixit...

Mensagens populares deste blogue

God Bless America...

Sem mais comentários!!!
Boa semana para todos.

A Cunha, o Arranjinho e o Amiguismo...

E na hora do café dá para isto ...(ler o jornal)

"(...) é crucial que todos tenhamos consciência — a começar pelo ministro das Finanças — de que o país necessita de estabelecer rapidamente um ring-fencing absoluto entre a política e o futebol.
A razão é óbvia: existe uma altíssima probabilidade de os negócios da bola envolverem dinheiro sujo e operações ilegais.

Qualquer pessoa que acompanhe o futebol português com um módico de atenção sabe que nem Luís Filipe Vieira, nem Bruno de Carvalho, nem Pinto de Costa são personagens recomendáveis. As instituições a que presidem merecem todo o respeito institucional, mas as suspeitas que recaem, ou recaíram, sobre eles deveriam obrigar todos os políticos eleitos a manterem-se à distância.
(...) Luís Filipe Vieira recebe zero euros de ordenado do Benfica, cargo que ocupa há 14 anos. A sua justificação: “O lugar de presidente do Benfica não é um cargo, mas sim uma missão que deve ser desempenhada em regime de voluntariado.” Explicação linda —…

Eu chamo-lhes aberrações...

Sobre umas aberrações que para ai andam nas Magistraturas (Judicial e do Ministério Público) lembrei-me desta citação dos Textos Judaicos que dizia, mais ou menos, isto...
«Infeliz da geração cujos juízes merecem ser julgados.»
Atenção, sou casado com uma Juíza de Direito sei o quanto trabalha e sei o quanto se dedica à sua profissão, alguns dos meus bons amigos são Juízes e Procuradores da República, já estive desse lado da barreira e entristece-me, embora não me surpreenda, ver a Justiça na lama porque duas "almas" resolvem aí a colocar com os seus actos, uma lástima, uma lástima mesmo...
Bom resto de semana!