Avançar para o conteúdo principal

Quo Vadis?




A Europa discutindo, sem norte, mas com dinheiro, permutas de refugiados e emigrantes árabes.

A Turquia fazendo destes indefesos homens, mulheres e crianças moeda de troca para se juntar à União Europeia. O directório da União com generosas proclamações,estéreis todas elas se, a elas, não estiverem associadas a clareza, a prontidão, a sensibilidade, o humanismo e a eficácia.

A estatística da UE como mãe de todas as análises seja da pobreza, da morte ou da tragédia.

Enfim, nestes tempos de raiva e revolta -por vezes, irracional, de ódio em relação a todos, sem excepção, àqueles que julgamos serem todos perigosos terroristas, convém - nestes tempos em que nós cristãos exortamos ao perdão, ao exemplo de Jesus Cristo e da sua infinita bondade e capacidade de perdoar - relembrar as palavras do Papa Emérito Bento XVI quando visitou o Campo de Concentração Nazi de Auschwitz-Birkenau:

“No fim, só pode haver um terrível silêncio, um silêncio que é um sentido grito dirigido a Deus: Porquê, Senhor, permaneceste em silêncio? Como pudeste tolerar isto? Onde estava Deus nesses dias? Porque esteve Ele silencioso? Como pôde Ele permitir esta matança sem fim, este triunfo do demónio? Onde está Deus nestes momentos?”

Hoje, ou melhor, ontem perguntei o mesmo a Deus...aguardo resposta!

Uma Santa Páscoa a todos vós e respectivas famílias.

Comentários

  1. Depois de ter visto aquele vídeo espero que tenha ficado com algumas respostas, Ricardo.
    Ele deu a vida por nós.
    O supremo sacrifício, que agora celebramos.
    Aquele abraço, votos de Feliz Páscoa para si e família

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Dixit...

Mensagens populares deste blogue

God Bless America...

Sem mais comentários!!!
Boa semana para todos.

A Cunha, o Arranjinho e o Amiguismo...

E na hora do café dá para isto ...(ler o jornal)

"(...) é crucial que todos tenhamos consciência — a começar pelo ministro das Finanças — de que o país necessita de estabelecer rapidamente um ring-fencing absoluto entre a política e o futebol.
A razão é óbvia: existe uma altíssima probabilidade de os negócios da bola envolverem dinheiro sujo e operações ilegais.

Qualquer pessoa que acompanhe o futebol português com um módico de atenção sabe que nem Luís Filipe Vieira, nem Bruno de Carvalho, nem Pinto de Costa são personagens recomendáveis. As instituições a que presidem merecem todo o respeito institucional, mas as suspeitas que recaem, ou recaíram, sobre eles deveriam obrigar todos os políticos eleitos a manterem-se à distância.
(...) Luís Filipe Vieira recebe zero euros de ordenado do Benfica, cargo que ocupa há 14 anos. A sua justificação: “O lugar de presidente do Benfica não é um cargo, mas sim uma missão que deve ser desempenhada em regime de voluntariado.” Explicação linda —…