Desilusões...



“Existe no silêncio uma profunda sabedoria que, às vezes, ele se transforma na mais perfeita resposta.”

Fernando Pessoa


Serve a frase de Pessoa para explicar um pouco do meu silêncio neste espaço, livre, aberto, transparente (q.b) para que saibam um pouco de mim, mais talvez do que fosse desejável, dirão uns, mas eu sou assim transparente nas opiniões, nas amizades, em tudo na minha vida e, graças a Deus, sinto-me bem assim.

A democracia é podermos dizer e pensar as coisas de formas diferentes, sem ressabiamentos, sem ofensas, de forma civilizada e cortez, nem sempre é assim, mas deveria ser sempre assim. Há momentos na vida em que somos surpreendidos por situações e por pessoas que, outrora, julgávamos amigas e até nutríamos algum carinho, mas que - por contingências da sua vida pessoal - ficaram amargas e com isso intolerantes às contrariedades que vão desde a saúde que vai faltando ao emprego que se deseja (para si ou para os seus mais próximos) não se tem, ora por falta de sorte, ora por falta de qualificação (será utópico tentar encontrar emprego numa qualquer empresa tendo como habilitações literárias o 6º ano (incompleto)).

Fruto da vida que tive na infância e lutei para ter e manter na idade adulta, sempre fui um tipo metódico, procurando atingir os objectivos (sem espezinhar quem quer que seja), e tentando transmitir essa tenacidade às minhas filhas, ensinando-lhes todos os dias que tem de lutar por objectivos, para que possam ter sempre aquilo a que estão habituadas a ter, transmitindo-lhes valores morais que as façam mulheres valorosas.

Há dias, fui surpreendido pela reacção e brusquidão nas palavras e actos de alguém, com quem já convivia neste mundo virtual e até fora dele, que me levou a repensar a forma de estar perante pessoas que mal conhecemos e que nos "damos", quer seja num telefonema de apoio, quer numa outra situação qualquer. A desilusão que apanhei levou-me ao silêncio no blog da referida pessoa, muito doce para o exterior, porém, muito escura e retrincada por dentro.

Serei sempre aquilo que fui, isto é, frontal, directo e cordial, não me calarei, nem deixarei de dizer aquilo que penso sobre as coisas.

A todos votos de um excelente fim de semana.

P.S. 1 - Por razões de educação, não revelarei a quem me refiro.

P.S. 2 - Por razões profissionais. tenho estado muito fora daqui, mas valores mais altos se levantam, espero que compreendam. 


Comentários

  1. Amigo Ricardo:

    Nem sempre somos dotados da capacidade nobre de ACEITAR, exige uma grande auto-estima e principalmente uma grande humildade.
    O importante é sermos coerentes com os nossos princípios .
    Que esta desilusão não o amargure e que continue a ser a pessoa íntegra que é.

    Um beijinho com amizade

    ResponderEliminar
  2. Os blogues são um passatempo, um espaço de convívio, de descontracção, Ricardo.
    Há outras coisas mais importantes na nossa vida é que têm de ter primazia.
    Leve o tempo que for necessário e vá aparecendo sempre que possível.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  3. Aquele abraço, boa semana para si e as suas mais que tudo, Ricardo

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Dixit...