A família que parte...



(Luciano Pavarotti: E lucevan le stelle)

Aos poucos vemos partir pessoas que, de uma maneira ou outra, estiveram ligados à nossa existência desde o momento que nascemos, pessoas que não sendo de grande afirmação afectiva, tiveram o seu lugar no nosso crescimento e na nossa forma de enfrentar a vida (nem que fosse para fazê-lo de forma diametralmente oposta àquela que foi sempre seguida pela família).

Ontem, partiu mais uma dessas pessoas simples que me habituei a ver sempre ao lado de minha Avó Paterna (que a "adoptou" como filha depois de com 5 anos ter ficado orfã), alguém que era de uma fidelidade "canina" à "Tia" (minha Avó), que era "pau para toda a obra", com a qual não era particularmente próximo (mas, por ironia do destino, foi eu que tratei do funeral), na qual os "próximos" (agora convenientemente distantes) delegavam tarefas atrás de tarefas e nem obrigado diziam.

Digo eu, obrigado por tudo, Ilda, mesmo que nunca lhe tenha pedido nada, obrigado por ser a "sombra" da minha Avó (que eu tanto amava), obrigado por acompanhar a minha Mãe às "Missas do Galo" quando nós (geralmente, eu e o meu Pai) não tínhamos vontade de o fazer...

Até um dia! 

Comentários

  1. Os meus sentidos pêsames, Ricardo.
    Todos deixam saudades mas uns muito mais que outros.
    Que Deus a ilumine.
    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
  2. Então era isso que o andava a atormentar, meu caro.
    Já tinha percebido que havia qualquer problema consigo.
    Agora percebo.
    Que a Ilda repouse em paz.
    Para si, meu caro, um grande abraço solidário, extensível à restante família.

    ResponderEliminar
  3. Sei muito bem do que falas, dói para caramba e recebe um abraço enorme!
    Que descanse em paz!

    Beijocas

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Dixit...

Mensagens populares deste blogue

CARTA ABERTA AO JEROEN DIJLESBOING (ou lá como é...)

Crónica de uma morte anunciada...