AS CRIANÇAS, NÓS E A...RELIGIÃO!!!

«Educar religiosamente as crianças dá um trabalhão. É muito mais fácil não educar. É muito mais simples deixá- -las em paz e sossego com as coisas mundanas da vida em que o mais longe que se vai no que diz respeito ao direito natural é à figura do Pai Natal e à história mercantilista da fada dos dentes. Mais sobrenatural que isto é uma complicação dos diabos. E esta dificuldade aplica-se a qualquer religião. Em qualquer uma o enredo é difícil de explicar e de entender.

As crianças, ao contrário dos adultos, querem saber porquê. Exigem saber o significado de tudo, a razão de ser de cada coisa e qual o objectivo de cada acção. Ora nós, pobres crentes, não sabemos nem metade daquilo que eles querem saber. Nós somos praticantes, religiosos, praticamos os ritos, rezamos, mas pronto. Não perguntamos muita coisa. É assim porque sempre foi e isso chega e sobra para satisfazer as nossas crenças religiosas. Já fizemos as perguntas que queríamos e agora só queremos estar sossegadinhos na intimidade da nossa fé. O que chega e sobra.

As crianças não. Elas querem saber porque é que são baptizadas. Perguntam, com todo o desplante, o que é que acontecia se não fossem baptizadas. Também perguntam porque é que vão à missa, porque comungam, o que é a hóstia, quem é o Espírito Santo, o significado da cruz, etc. Ninguém as cala. Por exemplo, como é que se explica a uma criança a razão pela qual Santo António falava aos peixes? Porquê os peixes, se os peixes não percebem nada?

Ora responder a isto tudo é quase impossível. Pelo menos no meu caso. 

As crianças não aceitam a religião com a passividade com que nós aceitamos. Se dependesse delas, Maomé e mesmo Jesus teriam de aparecer na televisão todos os dias se quisessem ter quem os seguisse e teriam de explicar tudo muito bem explicadinho sem se valerem de parábolas ou metáforas. Teria de ser tudo muito concreto, preto no branco, para as criancinhas entenderem. Na falta deles, cá estamos nós para elucidar os nossos filhos. Nós, pobres diabos que não percebemos nada do assunto.

A verdade é que explicar religião às crianças, fazer delas católicos praticantes, crentes muçulmanos ou judeus devotos é muito mais difícil do que explicar matemática ou física quântica: os exercícios não trazem soluções e é tudo uma questão de fé.

O que nos resta, sendo óbvia a ausência de base racional, é a teimosia. Educar um filho religiosamente é ser teimoso. Somos obrigados a fazer duas coisas que nos custa: sermos minimamente exemplares na prática e coerentes no dia-a-dia. E teimar no discurso. Ora isto obriga-nos a ser crentes praticantes. Para mal dos nossos pecados, não chega sermos apenas crentes. Temos mesmo de praticar alguma coisinha ou as crianças não vão na conversa. Temos mesmo de ler, de rezar, de praticar, enfim, de ter uma dose de trabalho suplementar a que não estamos muito habituados. E de repente, depois de adultos, voltamos a ter aquelas dúvidas que tínhamos quando éramos pequenos, só que agora os explicadores somos nós.»

Inês Teotónio Pereira, in "I"

Comentários

  1. Não sou grande apreciador de Inês mas, apesar disso, tenho que reconhecer que tem alguns textos que me 'caem no goto'.

    Este é um deles.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
  2. Não tinhas os comentários e hoje já os tens:)

    Eu acreditando no que acredito, baptizei as minhas filhas e depois deixei ao critério delas o irem ou não à catequese, ou à missa comigo e fui-lhes explicando sempre, até porque fui catequista durante 8 anos. Nunca impus nada e fizeram a 1ª. comunhão tarde, a mais velha foi até ao Crisma, a mais nova não o que respeitei.

    Como respeito uma ter casado apenas pelo cível e a outra a viver eum união de facto, não frequentam, não acreditam em nada e os meus netos nenhum é baptizado...mas baptizei-os eu e venham dizer-me que é diferente que eu respondo. Prefiro que sejam honestos com a sua forma de ser e estar do que irem, praticarem apenas por fachadam ou obrigação.

    Deixei as missas e acompanho algumas pela televisão e vou com a minha mãe sempre que ela quer ir...

    Daí não concordar muito cm o texto que implica uma obrigatoriedade sobre os filhos...o que não concordo de todo!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Dixit...

Mensagens populares deste blogue

CARTA ABERTA AO JEROEN DIJLESBOING (ou lá como é...)

Deus cria a mãe