And the Oscar goes to...


No Teatro "Chapter 11", como lhe chamou Billy Crystal, "O Artista" foi o escolhido para Melhor Filme. Os Óscares confirmaram o filme francês como o melhor de 2011, consagrando a realização e o melhor actor. Meryl Streep conquistou o galardão para Melhor Actriz
"O Artista" foi a estrela da noite. Ganhou o Óscar para Melhor Filme, tendo o seu realizador Michel Hazanavicius saído do Teatro que até este ano tinha o patrocínio da Kodak com a estatueta de realização, destronando Martin Scorsese que no seu primeiro filme a três dimensões - "Invenção de Hugo" - não conseguiu convencer a Academia. 

Hazanavicius, que agradeceu por duas vezes, não deixou de pedir, em directo, aos filmes para irem para a cama, já que em França marcava quase seis da manhã. 

Ainda assim, "Hugo" recebeu tantas estatuetas como "O Artista", mas acabaram por ser categorias mais técnicas. "O Artista" e "Hugo" conquistaram, cada, cinco estatuetas. 

"O Artista", além de Melhor Filme e Melhor Realização, conquistou o Óscar para Melhor Actor Principal. Jean Dujardin, que na era do som faz de actor do cinema mudo, agradeceu em inglês, mas não esquerceu o "merci" e "formidable". Para "O Artista" ainda foram entregues o Óscar pelo Guarda-Roupa e Banda Sonora. 

Os Óscares para "Hugo" foram para a Fotografia, Direcção Artística, Som, Mistura de Som, Efeitos Especiais.

O Óscar para Melhor Actriz, por sua vez, não escapou a Meryl Streep, que conquistou a sua terceira estatueta, em 17 nomeações. O que aliás levou Billy Cristal a sugerir que Meryl Streep já merecia um outro Óscar só pelas vezes que teve de sorrir a ouvir o nome de outra vencedora.

A sua actuação em "A Dama de Ferro" não foi indiferente à Academia, que aliás escolheu o filme que retrata Margaret Thatcher para o galardão da Melhor Caracterização. Meryl Streep recebeu, mesmo, uma das maiores ovações da noite. 

Meryl Streep tinha ganho última estatueta nos anos 80, mas foi sempre sendo nomeada. E por isso não esqueceu que "perante mim está a minha vida, os meus antigos amigos e os meus novos amigos". "A Dama de Ferro" ganhou os Óscares para os quais estava nomeada.

Os actores secundários também acabaram por não ser surpresa. Octavia Spencer ganhou a Melhor Actriz Secundária com "As Serviçais" e Christopher Plummer, aos 82 anos, ganha o Melhor Actor Secundário com "Beginners". O Óscar é mais velho que Plummer dois anos, mas só agora se encontraram, como disse Plummer nos agradecimentos.

Mais surpreendente foi a entrega da Melhor Montagem ao filme norte-americano "A Rapariga com a Tatuagem do Dragão", que adapta o primeiro livro "Millenium" de Stieg Larsson.

O Melhor Filme Estrangeiro foi para o Irão, "A Separation", que mereceu o primeiro discurso político.

Nos argumentos, o melhor adaptado foi para "Os Descendentes", enquanto o original foi para Woody Allen, com "Meia-noite em Paris".

O Melhor Filme de Animação foi Rango, tendo os "Marretas" recebido o galardão pela Música Original, batendo os brasileiros Sérgio Mendes e Carlinhos Brown pelo filme de animação Rio.

Nas curtas-metragens ganhou na ficção "The shore", da Irlanda; na de animação ganhou "Fantastic flying books of mr. Morris Lessmore"; e no documentário "Saving Face", que mereceu uma menção às mulheres paquistanesas "que lutam pela mudança e não desistam dos vossos sonhos". Nos documentários longos ganhou "Undefeated".

Foi a 84ª. cerimónia dos Óscares que decorreu no mesmo teatro em Hollywood, mas este ano já sem poder ostentar o patrocínio Kodak, devido ao pedido de falência da empresa. Billy Cristal, que apresentou os Óscares (foi a sua nona apresentação), não deixou passar o facto, chamando o Teatro "Chapter 11" (lei dos processos de insolvência nos Estados unidos) ou "new name theatre" (teatro com novo nome). Este ano o Teatro Kodak foi simplesmente o "Hollywood and Highland Center".

in "Negócios on-line"


Fiquei desiludido com o facto de Viola Davis, de George Clonney, e de «Os Descendentes» não terem sido escolhidos para, respectivamente, melhor actriz principal, melhor actor principal  e melhor filme.

Comentários

  1. Amigo Ricardo:

    Eu sou uma apreciadora de cinema, mas acho a gala dos Óscares mais virada para o glamour do que para a arte cinematográfica.
    Embora fã de Meryl Streep também fiquei decepcionada com algumas escolhas, nomeadamente as que referiu.

    beijinhos e boa semana

    ResponderEliminar
  2. Ricardo,
    O Artista, tive essa sensação, era um vencedor anunciado.
    Porque a Academia queria dar a ideia de fugir ao mainstream, aos grandes estúdios (o prémio de melhor actriz vai pela mesma lógica).
    Gostei, sobretudo, do Billy Cristal.
    Não perde qualidades.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Dixit...